Convenção do PDT

Nos últimos 2 anos, a prefeitura de Porto Alegre vem se empenhando em transformar meu bairro (a saber, bairro Floresta, de Porto Alegre) em um pequeno pedaço do Iraque. Obras mal organizadas, longas demais e sem nenhum respeito com os moradores ou com o comércio local são as principais causadoras de uma imundisse constante no bairro e de uma crescente onda de assaltos e violência naquela região. Como o nosso bairro não aparece no mapa, a polícia não consegue chegar lá. Pelo menos deve ser essa a razão que fez com que ela não apareceu quando chamamos na vez em que um ladrão invadiu o apartamento da minha namorada pela sacada, e quando havia um tiroteio na frente de um prédio de esquina abandonado que já havia sido invadido duas vezes naquela mesma semana

Não bastasse essa porcaria geral, na segunda-feira desta semana o PDT resolveu fazer mais uma de suas incríveis convenções. Nesta ocasião sei que o melhor seria explodirmos o prédio e nos livrarmos daquele bando de políticos ali reunidos, mas infelizmente, como temos uma ética que eles não têm, nos contentamos com simplesmente fazer um exercício de paciência pra aguentar a baderna que eles fazem nas ruas próximas à sua sede.

No ano passado, eu infelizmente não tive a idéia de tirar uma foto do caos. Mas esse ano…

pdt

Como ano passado quando eles já tinham feito essa porcaria eu já tinha ligado pros nossos utilíssimos azuizinhos e reclamado dos carros estacionados na frente da minha casa, e como a criatura que me atendeu disse que não podia fazer nada, eu não me surpreendi quando meu irmão me mandou a foto acima. Não é difícil de ver a placa de pare virada na direção contrária do veículo estacionado na contra mão, nem o carro da RBS, que acredita que está sempre a serviço da comunidade, estacionado embaixo da placa de proibido estacionar. Pode-se ver pelas placas ignoradas a importância que as leis têm para aqueles cidadão reunidos ali na sede do PDT. Lembrem disso na hora de votar.

Eu sempre adorei meu bairro. Moro na casa que era da minha avó, e onde passei uma boa parte da minha infância. Sempre me orgulhei de morar nessa zona. Infelizmente com tudo que têm acontecido nos últimos tempos, o lugar está virando uma porcaria. Simplesmente não consigo entender como pode ser um lugar tão inseguro que conseguiram roubar os fios de luz em plena Cristóvão Colombo, diante das obras no novo shopping que terá ali.  Claro, eu sei que quando o Shopping estiver pronto a prefeitura lembrará que o bairro existe novamente, e provavelmente volta a cuidar da segurança por ali. Além, é claro, de fazer uma bela baderna no trânsito, como fizeram mais perto da 24 de outubro pra facilitar a vida do Moinhos Shopping.

Pequena reflexão sobre festas que não são eletrônicas…

Ontem eu estava procurando, no google e em alguns sites de torrent, palylists de festas em lugares aleatórios do mundo, para baixar e ver o que anda rolando por aí. Achei que muito provavelmente eu encontraria algumas, de festas boas da europa, e algumas até do Brasil. Não encontrei praticamente porra nenhuma.

As únicas que existem disponíveis são playlists de festas eletrônicas, ou então arquivos enormes em mp3 de todo o set de algum Dj em alguma rave. Rock? Nadinha.

Fiquei ponderando sobre o assunto e tentando achar alguma razão pra isso. Poderia ser por causa de direitos autorais… tá, mas daí poderia se disponibilizar a lista das músicas, sem os arquivos das mesmas. Opção descartada. Poderia ser porque ninguém nunca tinha tido a idéia… não, afinal o pessoal que curte som eletrônico faz isso. Poderia ser um mero ataque de incompetência minha de não encontrar… ok, não descartarei essa. Poderia também ser porque os poucos Dj’s de festas de rock que temos por aqui (estou tratando de Brasil agora, pois simplesmente não entendo por que não fazem isso na europa e nos eua) não querem compartilhar seus preciosos segredos com os outros. Espero, sinceramente que essa não seja a razão.

É fato que temos muito pouca gente colocando som por aqui. Pelo menos em Porto Alegre. Temos várias festas, com nomes diferentes, mesmos Djs e uma mudança não muito grande no repertório. Se for eletrônica então dá pra cantar junto quase do início ao fim da festa. Tá, isso não chega a ser algo tão absurdo, afinal já estamos livres do anos 80 há uns 20 e muitos anos e é mais do que tempo pra decorar essas letras.

De qualquer modo, fico triste de não ter encontrado nenhuma playlist pra dar uma olhada. Compartilhar playlists de festas é legal pra fazer pessoas conhecerem novas bandas, e para Djs aumentarem seus repertórios. É legal também pra tu ter uma idéia melhor de como é tal festa, ou de qual a característica mais marcante de cada Dj.

Se algum dia eu me prestar a organizar uma festa ou colocar som em uma, vou postar aqui meus playlists. Se eu lembrar, é claro.

E Porto Alegre segue lomba abaixo…

Ontem de noite, por volta das oito da noite, um ladrão subiu pela sacada da casa da minha namorada, com ela e a amiga dela que mora junto dentro de casa, roubou dois celulares e se jogou pela janela. Elas chamaram a polícia, que jamais apareceu. Tentei fazer uma denúncia online no site da brigada militar (que é tão manco que não deixa nem tu escolher o ano 2007 na data) e depois de escrever a denúncia detalhadamente e apertar o botãozinho de confirmar, recebi um aviso de página não encontrada.

Quando eu era pequeno aqui em Porto Alegre, um acontecimento como esse era raro. Víamos a polícia nas ruas o tempo todo, até porque eles cuidavam do trânsito, e por isso tinham que ficar circulando.

De uns tempos para cá os governos em geral têm feito muitos esforços para acabar com a segurança no país. Policiais com salários baixos, obrigados a morar na vila em meio aos criminosos; tirada do controle de trânsito da mão da polícia, diminuindo sua verba e tirando os policiais das ruas, para colocar no lugar um bando ne inúteis vestidos de azul que só atrapalham o triansito e que desaparecem depois das 17hs de sexta e só são vistos, tirando em algumas raras blitz, na segunda-feira.

Os azuizinhos são uma das idéias mais idiotas que o governo já teve. Tivessem mantido os policiais no controle do trânsito, e feito todas as outras mudanças no código de trânsito, a diminuição nas infrações e acidentes teria sido ainda maior. Mas o ponto preocupante é que os azuizinhos foram mais uma cagada que aumentou a insegurança da população.

Em um país com tantos advogados é impressionante que tantos criminosos se sintam à vontade para fazer o que aquele cretino fez ontem. Oh! Sim, poderia ser muito pior, mas isso não é motivo pra diminuir a indignação de ninguém. Algo precisa ser feito. Eles precisam ser punidos. E punidos direito. Quem não tem medo de ser punido não tem medo de  cometer um crime. E se a prisão fosse o inferno que dizem, eles não saíam tão fácil e teriam mas medo de voltar.

Se seguíssemos a risca o que é ensinado pelas várias teorias filosóficas em relação à governo e sociedade, está na hora de tomarmos nossa liberdade de volta das mãos do Estado, limpar a bunda com  o contrato social, e começar a nos defendermos nós mesmos. Afinal, aquela vez que queimaram os dois seqüestradores em Minas Gerais, tivemos seis meses sem seqüestros naquele estado.

Uma hora, quando eu estiver um pouco menos furioso, eu escrevo sobre como fomos treinados a nos sentirmos indefesos e a não nos defender, e como isso totalmente absurdo. Mas agora não. Agora só quero arrancar a cabeça daquele pau no cu e colocar no poste da esquina da minha rua.

Post 2 em 1…

Parte 1:

Pro pessoal das buscas “bucetas na can”, “gostosas na can”, “peladas na can, etc…  É na CAM! Vem de CAMera! Ok?

Parte 2 – Encontre uma lixeira e ganhe um Corsa!

Hoje pela manhã, após comparecr com um dia de antecedência em um exame de aptidão física no Grêmio Náutico União, eu comprei um daqueles iogurtes com suco, para beber (o qual creio que tenha acabado a validade 14 minutos depois de eu terminar de ingerio-lo). Terminei de bebê-lo na esquina da Tobias da Silva com a Dr. Timóteo e caminhei com ele até dentro do Madison (prédio onde trabalho), na Mostardeiro, sem passar por uma lixeira sequer!

Como diabos uma cidade deste tamanho pode ter tão poucas lixeiras na rua? A distância que se tem que andar até achar uma é sempre enorme. Além disso, as poucas que existem muitas vezes foram destruídas por completos idiotas que não conseguem entender que estão destruíndo o próprio patrimônio.

Ainda no caminho passei por um carro que jogou um papel de bala pela janela. Infelizmente faltou tempo para eu jogar a garrafa de iogurte dentro do carro do porco. Sim, pois se ele pode jogar lixo na rua em que eu vivo uma parte da minha vida, eu posso jogar dentro do carro dele também.

Claro, eu fico de cara de ter que andar um quilômetro antes de encontrar uma lixeira. Mas isso não justifica jogar o lixo no chão. Tinha que ter uma campanha contra isso que dissesse com todas as palavras “Quem joga lixo no chão é porco, ignorante e irracional”. Uma pessoa só para de fazer algo errado se doer quando fizer, ou quando passar a se sentir um idiota por fazer isso. Senão não. E o pessoal aquele que ía comentar que o porco é um animal limpo, blá, blá, blá… por favor mais criatividade.

Porto Alegre abaixo d’água…

Que tratamento podemos esperar dos deuses em uma cidade que põe o nome de um riacho imundo (um patrocínio da população carente portoalegrense que acha que ali é um bom lugar para jogar fogões, geladeiras e tudo mais que eles não querem em casa) de “Arroio Dilúvio”?

Pois é… tocados com a idéia de dar esse nome ao arroio que divide a cidade ao meio (e lembrem-se que o meio de uma cidade onde o Centro da Cidade é no canto, pode ser em qualquer lugar) somos vítimas de grandes volumes de água, de tempos em tempos, caída diretamente do céu. Essa água se deposita em lugares já conhecidos da cidade, como a avenida Goethe na parte que passa o parcão, toda a área da obra cretina perto da minha casa, a rua Santa Teresinha perto da vila Planetário, e mais muitos outros que eu não teria caracteres para citar.

Quando eu era pirralho Porto Alegre não enchia assim. Segundo o PT, que manteve a prefeitura durante um adolescente inteiro, o que ocorre é que nossos canos foram tomados por sei lá que espécie de mexilhão. Na época em que deram tal declaração à Zero Hora eu fiquei muito impressionado, e muito interessado no tal mexilhão. Eu tinha certeza que deveria se tratar de exemplares de mexilhões de última geração, capazes de crescerem do nada ao estado adulto em questão de segundos, afinal, por alguma razão, antes eles não estavam lá.

Mas não se chuta cachorro morto, e deixemos o PT de lado. Até porque eu já me distanciei muito do que eu pretendia falar quando abri a janela do meu obsoleto Firefox. Eu queria comentar a chuvarada de ontem. Não dei ouvidos aos meus colegas de trabalho e ignorei os avisos de “o mundo vai acabar” que todos davam de segundo a segundo. Tendo ficado alguns minutos a mais para terminar um trabalho urgente que o atendimento havia pedido (e que não esperou eu terminar para ir embora) eu acabei ficando ilhado aqui na agência. Olhei as águas subirem rápido e sumirem com o cateiro do meio da Goethe. Fiquei aqui, frustrado por não conseguir encontrar meus comparsas de banda, e por não ter a falta de nocão que tinha no ano passado, quando em uma enchente igual, andei com água pelo pescoço por uma boa parte da Quintino, destruindo meus antigos celulares (o de cartão da Claro, que há um ano e meio me avisava que eu tinha 10 dias para colocar mais créditos ou perderia o número, e o da Brasil Telecom, que não pegava em lugar nenhum, mas que era uma ótima lanterna).

Fiquei assistindo a chuva até as 22hs. Depois, quando os taxis finalmente conseguiram chegar até aqui, fui embora para casa. Cheguei em casa e deu tempo de jantar antes de faltar luz. Tive as divagações normais de falta de luz (por que a luz não tem um caminho alternativo quando algum mongolóide acerta um poste? por que precisamos de lampadas se dá pra ver tudo na rua de noite mesmo com o céu nublado?) e crente em Murphy – o todo poderoso, como sou, não me surpreendi quando ela faltou, voltou, faltou e só voltou quando estávamos prontos para fazer alguma coisa mesmo sem luz.

Hoje a chuva continua cirúrgica. Choveu quando eu voltava a pé do almoço pro trabalho e certamente choverá na hora de ir pra casa. Segundo colegas de trabalho, existem previsões de furacões, tufões e outros fenômenos pouco prováveis por todo o estado. Porém, como estou esperando até hoje pelo tsunami prometido na Bahia, me recuso a acreditar em tais previsões.

Porcaria de obra na minha rua…

Desde o meio do ano retrasado, a prefeitura (quando a obra iniciou, e quando as licitações exremamente duvidosas foram feitas, a prefeitura era do PT), os caras estão fazendo um duto de esgoto que tem como objetivo desalagar uma boa parte de Porto Alegre (Parcão, Cristóvão Colombo e redondezas). A obra era pra terminar no final do ano passado. Qualquer um que more perto da obra sabe que não existe nenhuma possibilidade de isto acontecer.

Quem acompanha a obra, além de ficar irritado com a monstruosa sujeira que ela está causando já há tanto tempo, facilmente consegue notar que Deus se opõe a ela. Sua primeira ira em relação à obra foi no início, fazendo uma chuva cair furiosamente sobre a cidad, inundando tudo naquela zona por dois dias seguidos e estragando uma considerável parte do estoque de produtos do Rissul. Reza a lenda que até processo rendeu.

Nas últimas semanas, com o humor mais afudê do mundo, espera pacientemente eles abrirem um buraco para encher de chuva dentro. Então novamente Ele espera que eles consigam esvaziar o buraco, tirar a areia que desmoronou, e enche de chuva de novo.

Hoje, em mais um momento de inspiração, Ele resolveu sacanear os caras da obra fazendo o container, que estava na frente da minha casa, escorregar do caminhão.

container-003.jpg

Nas próximas semanas os geniozinhos deverão começar a demolir a Cristóvão Colombo, causando um enorme transtorno, enormes engarrafamentos, e a desgraça dos comerciantes da região. Isso graças aos moradores da Marquês do Pombal, que simpatizam com aquelas porcarias de sabiás!