Now nothing ever ever goes my way…

Então eu fui pedir demissão hoje de manhã. Foi uma caminhada incômoda. Por mais que eu quisesse ir embora, por mais que eu achasse injusto o jeito que aquela agência trata os funcionários, eu acho meu chefe um cara legal. Meio equivocado em relação à administração, mas que o cara é gente fina pra caralho ele é.

É incrivel como estes momentos são sempre como aparecem em filmes e livros. A gente ensaia dentro da nossa cabeça. Procura a melhor frase. Pensa nas que podem ser menos mal entendidas. Daí tu chega lá e é incrível como, sempre, e sempre mesmo, alguém brincando acerta exatamente o que tu tá indo fazer. A gente ri torto e segue em frente.

Conversei com o cara na boa. É uma decisão definitiva? É sim. Conversa franca. Mais amigo que chefe. Surpreendente.

Colegas felizes. Colegas brabas.

Daí eu invento de passar na criação da dcs pra dar um oi. Olhaí o cara! Meu, procura o campeão que ele quer falar contigo. Que tu quer comigo nas minhas férias? Já voltou? Não. Faz um free ali na dcs?

E lá passei a tarde. E passarei mais um dia por deliciosos 300 pila que virarão bebida no final de semana.

A vida é engraçada. A gente sabe que quer ir embora. Sabe que sentirá falta. Mas tem que ir. Assim que funciona. Tudo passa. E no final eu sei que eu vou desaparecer e não ligar mais, e não escrever mais, como eu sempre faço.

É incrível como eu sou mais forte do que eu.

Deixe uma resposta