Como descobrir o dono/administrador de uma Fan Page do Facebook

Tenho visto, nas estatísticas do blog, muita gente buscando informações sobre como descobrir quem é o dono / administrador de uma Fan Page no Facebook e resolvi dar uma pesquisada afim de responder essa pergunta. Novamente, muito pouco conteúdo em português, então vou tentar trazer algum conteúdo útil baseado nos posts que encontrei no InsideFacebook e no eModeration. Não são posts muito recentes, mas não encontrei realmente nada mais atualizado do que isso.

Já adiantando e resumindo, a não ser que o administrador queira, tu não tem como descobrir quem ele é. Ainda assim, caso não importe exatamente quem a pessoa seja e sim fazer contato com ela, existem algumas formas.

Quando alguém quer, por algum motivo, contactar o administrador de uma Fan Page do Facebook, encontramos duas situações possíveis:

1) O Administrador não tem nada a temer e permite ser contactado (situação boa)

Aqui o administrador resolveu ser muito afudê com os usuários e facilitar a vida deles no que se refere a permitir o contato direto dos usuários sem ser através de uma mensagem na timeline. Normalmente, quando isso acontece, existem duas possibilidades:

a) O administrador usa algum app que incorpore um formulário de contato à fan page

Neste caso tudo é felicidade. Esse tipo de app normalmente insere um formulário de contato na Fan Page e o envia para o endereço determinado pelo administrador. Basta preencher e esperar que o administrador leve o negócio a sério e responda em breve.

b) O administrador inseriu dados de contato em “Sobre”

Alguns administradores preenchem os dados de contato que o Facebook permite inserir. O cadastro destes dados não é obrigatório, assim, se o administrador da página não estiver afim de ser contactado, ele simplesmente deixa tudo em branco e eles não aparecem na Fan Page. Importante lembrar que é preciso curtir a página para ter acesso ao conteúdo completo da sessão.

 

2) O administrador não está afim de ser contactado diretamente

Embora esse posicionamento possa parecer inicialmente confortável aos administradores das Fan Pages, na minha opinião é o que mais pode resultar em problemas, afinal, aquelas pessoas realmente afim, ou realmente precisando  entrar em contato, terão que usar os poucos meios restantes para fazê-lo.

Muitas empresas que não deixam um acesso direto de comunicação em uma Fan Page optam por deixar o link para seus sites institucionais, onde oferecem um formulário de contato para que as pessoas possam contacta-las. Outras empresas, com um comportamento mais “tiozão na rave”, preferem estar nas redes sociais sem socializar, e são os que acabam colhendo os piores frutos da empreitada, pois como eu disse antes, quem quer se manifestar na internet, se manifesta, quer a empresa queira, quer não. E caso o mural da empresa esteja moderando os posts, a pessoa ainda poderá postar na sua timeline, taggear a empresa, e possibilitar que centenas de amigos curtam e comentem, sem controle nenhum da empresa sobre o que está acontecendo. Péssimo posicionamento, na minha opinião.

Mas tratemos das situações em que alguém pode querer contactar o administrador de uma Fan Page e que o cara não esteja muito afim de facilitar:

a) Questões legais:

Embora o Facebook permita que sejam criadas Fan Pages não oficiais de marcas / celebridades / bandas / pessoas / produtos / etc; por mais absurda que seja nossa legislação, ela protege as pessoas / empresas contra certas coisas. Assim, caso alguém tenha criado uma Fan Page que seja abusiva de alguma forma em relação a uma pessoa / marca / produto / etc, o caminho é contactar o Facebook.

Pra isso, na capa da Fan Page, tu clica no ícone da engrenagem e seleciona “Denunciar Página”. Vai ser mostrado um formulário. Preenche, explica as razões que a equipe do Facebook irá analisar o caso e tomar medidas que vão desde transferir o controle da Fan Page para o dono oficial de uma marca até remover a Fan Page.

b)  Atendimento ao Consumidor

A partir do momento em que as empresas resolveram mostrar suas caras no Facebook, e uma vez que trata-se de uma das formas mais utilizadas de comunicação online hoje em dia, é natural que as pessoas tentem contactar os serviços de atendimento delas através de suas Fan Pages. Seja para reclamar, comentar, tirar dúvidas ou elogiar, é algo realmente natural e um fenômeno extremamente relevante na relação cliente-consumidor de hoje em dia.

Em casos como esse, o caminho é publicar na timeline da empresa e aguardar a resposta. Novamente, se a empresa realmente levar a sério sua presença em redes sociais, rapidamente deverá entrar em contato. Caso contrário, provavelmente não vale a pena continuar sendo cliente. Se o caso for de reclamação, vale tentar o Reclame Aqui.

c) Negócios

Algumas vezes acontece de alguém encontrar a Fan Page de uma empresa com a qual possa trabalhar em parceria de alguma forma. Nesse caso, se a criatura se prestou a fazer uma Fan Page e não deixou nenhuma forma para outros empreendedores apresentarem oportunidades de negócio, talvez seja melhor procurar outro parceiro. Agora, se tu é alguém que teve uma baita idéia e acha que ela pode interessar alguma mega-empresa, nesse caso primeiro registra tua idéia e depois te toca pra página institucional dos caras e descobre como falar com eles. Normalmente o Google ajuda a achar o site.

 

Novamente, o administrador de uma página só pode ser descoberto se quiser, mas se tu ainda quiser contactar o cara existem maneiras. Espero realmente que cada vez mais as empresas que resolvem colocar a cara no Facebook compreendam que se é para estar ali é importante interagir com o público. Se não pretende fazer isso, então não entra. É mais ou menos como posicionamento eco-consciente: se tu não faz porra nenhuma pelo meio-ambiente não adianta enfiar um link “Responsabilidade Sócio-Ambiental” no site e achar que cola, pois quem está realmente preocupado com o assunto vai saber que é papo e vai contar pra todo mundo.

 

Monstruoso plano maligno contra nosso sotaque

Embora muitas pessoas possam achar pouco provável ou pouco apropriado, nos últimos tempos tenho tido um convívio mais regular com crianças (com por volta de 2 ou 3 anos). Quando observamos crianças podemos chegar a várias conclusões notáveis interessantes, mas quero tratar aqui de algo que notei que é, pelo menos bairristicamente, aterrorizante!

Um número gigantesco de escolinhas e creches tem posto em prática um monstruoso plano para arruinar o sotaque gaúcho! Enquanto os pais depositam toda sua confiança nestas instituições, elas aproveitam-se não apenas dessa confiança, como do potencial de babar e achar tudo bonitinho que os pais tem, e ensinam as indefesas crianças a dizer você, em vez de tu.

Desatentos ao grande plano por trás desta peculiaridade, os pais simplesmente acham um amor sem compreender que daqui há vinte anos a maioria da população não usará mais o tu. Isso é meio caminho para começar a chamar guri de moleque!

Pais gaúchos, posicionem-se e expliquem para as creches e escolas que parem de distorcer a educação de seus filhos! Ou depois não reclamem se a piazada começar a chiar!

Melhor spam de todos os tempos

Não foram poucos os posts que eu fiz aqui ou com resultados das estatísticas do blog ou motivados pelas buscas feitas pelas pessoas que acabaram chegando por aqui. Porém, um post sobre comentários do blog (que são bem poucos, devo ressaltar) nunca tinha tido a chance de fazer.

O maior número de comentários são feitos por máquinas de spam de comentários, utilizadas pra tentar coletar pingbacks e aumentar o tráfego de alguns sites através de modos cretinos. Como qualquer forma de spam, é uma porcaria sem tamanho.

Porém, hoje fui presenteado com um spam simplesmente genial! A cara de pau é simplesmente sem precedentes. Abaixo, compartilho com todos esta pérola:

Falsificação de Passaporte

 

Eu paro em sinal fechado

Qualquer pessoa que tenha tido o indescritível desprazer de passar mais do que cinco minutos no trânsito de Porto Alegre não precisa de muitas explicações sobre as já renomadas e irrefutáveis falta de educação e incompetência dos motoristas da nossa esgualepada cidade.

Uma vez que eu, assim como alguns poucos conhecidos, continuamos tentando seguir as leis de trânsito, tem crescido a minha preocupação em deixar claro que embora o sinal vermelho esteja quase tão em desuso quanto o Latim, eu ainda insisto em parar.

Assim, aproveito para sugerir uma campanha de combate ao imbecil motorizado, através de adesivos como este:

Sei que é super careta da minha parte não abrir mão deste meu comportamento retrógrado, mas não pretendo deixar de parar no sinal vermelho tão cedo.

Breve sessão de tortura (conto)

A sala era quente, mal iluminada e fedia. No momento, além do insalubre ecossistema usual, era frequentada por mais quatro indivíduos, sendo todos eles homens de índole questionável, mas estando apenas um deles em menor número.

Ele estava amarrado, amassado e arrependido. Claro que, como qualquer pilantra, arrependido de ter sido pego e não de ter feito a merda. Era magro, feio, barba falha e cabelo ralo no topo da cabeça. Se vestia pouco melhor que o Wally, mas aparentemente era bem mais fácil de ser encontrado, considerando a situação em que estava.

Os outros três estavam em silêncio já havia algum tempo. Um deles também estava sentado. Desfrutava, sobre o primeiro, da considerável vantagem de não estar amarrado e sangrando. Tinha a cara gorda e brutal, e era dono de todo o dinheiro que o Wally amarrado não tinha como pagar. Em pé, ao lado do gordão, estava uma coleção de músculos provavelmente animada através de algum ritual macabro. Havia sido esse brutamontes que deixara a cara do Wally combinando com a camiseta vermelha. Não dissera uma palavra, simplesmente batera com suas gigantescas e sólidas patas na cara do magrela, sem nem mesmo ameaçá-lo.

Mas, normalmente, quem está apanhando, sabe qual é a razão,  e isso costuma tornar as palavras um tanto dispensáveis.

O terceiro cara era tão adequado ao ambiente quanto o Xicão Tofani em um programa de comentaristas esportivos. Parecia uma enorme criança de três anos, perturbadoramente proporcional. Era cabeça de um bebê em alguém de um metro e setenta e quatro de altura, com os ombros pequenos e a barriga com aquele arredondado infantil. Mas não chorava, ria ou balbuciava sílabas cobertas de baba. Apenas olhava na direção do Wally como se não conseguisse ter certeza se ele estava ali ou não.

O gordo tomou um longo gole de um fedorento suco de goiaba, enquanto o bebezão se aproximava do Wally.

“Como a impossibilidade de que você me pague é uma irrefutável verdade matemática, e como você já se mostrou um completo imprestável, decidi te dar a chance de servir de cobaia pra uma ideia que meu novo colaborador aqui me apresentou na semana passada” – mais um gole. O cabeça de nenê agora estava mais próximo do Wally. Levou a mão esquerda para trás, para pegar algo no bolso da calça. Era algo enrolado em uma toalha de rosto amarela úmida, que escapou da mão dele e se estatelou no chão, fazendo um som metálico de efeito cicatrizante para o entre-nádegas do Wally.

Os músculos se abaixaram, pegaram o alicate do chão e entregaram pro cabeça de nenê, que o pegou, abriu e fechou a ferramenta testando sua resistência. Olhou Wally nos olhos. “Você consegue manter sua boca mole aberta ou precisaremos mantê-la pra você?”

Embora Wally chorasse, gritasse e babasse, sua boca não ficava aberta o suficiente para que o cabeça de nenê conseguisse trabalhar tranquilamente. Foi necessário que músculos o segurasse para que mantivesse a boca bem aberta. Até porque o cabeça de nenê era mirrado e não tinha muita força. O que fez com que levasse alguns minutos para que, apertando o incisivo do Wally com o alicate, fosse capaz de fazer o dente estourar em pedacinhos.

Entre desmaios, vômitos, choros e retomadas de consciência, foram necessários dois dias e sete pizzas para que o serviço estivesse completo. O cabeça de nenê ria de forma condizente à sua aparência cada vez que, depois de muita pressão, o dente finalmente não aguentava e estourava, como um pedaço de gelo, espalhando estilhaços por toda a sala. Gostava não apenas da sensação de apertar o alicate como do som que fazia o dente ao explodir.

Duas semanas depois, o gordo decidiu que seria mais seguro para todos se o cara de bebê fosse arremessado de sua cobertura no centro. Na queda, o corpo estragou irreversivelmente um carrinho de pipocas e um falso cedo vendedor de raspadinha.

Como descobrir o ID de uma página do Facebook

Pelo que pude notar, considerando o gigantesco número de tutoriais sobre este assunto que não funcinam, essa é mais uma daquelas coisas que o Facebook tem o prazer de complicar e mudar o funcionamento de tempos em tempos.

O fato é que nem sempre somos os donos das páginas das quais precisamos do ID (e muitas vezes nossos clientes já criaram as páginas e não saberão exatamente como nos ajudar para nos passar as informações que precisamos). Assim aqui vai a manha:

  1. Acessa a página que tu quer saber o ID;
  2. Corre a página até chegar no último bloco da barra da esquerda;
  3. No último menu, cata o item “Receber atualizações via RSS”;
  4. Coloca o cursos sobre o link, clica com o botão direito (ou ativa o menu contextual da forma que a geringonça que tu estiver usando acessar permitir) e escolhe Copiar Link (ou Copy Link Location, ou o que for equivalente);
  5. Abre outra aba, e cola o link, que vai ser algo tipo: http://www.facebook.com/feeds/page.php?id=40796308305&format=rss20. Os números em vermelho são o ID em questão (o deste exemplo é da página da Coca-cola)

Tem pilhas de outras formas, mas esta me pareceu até agora a mais simples e mais independente do browser que tu tá usando, ou de algum plugin que tenha que instalar. E tem a vantagem de que se tu tá precisando do ID de um cliente que vende apenas vibradores, tu não precise curtir a página para ter acesso ao ID.

Para catar o ID de perfis a coisa é diferente e outra hora, se eu achar uma forma que eu já não tenha visto em outros tutoriais, eu largo aqui.

Gravity The Seducer (Ladytron 2011)

Dia 12 de setembro na Europa e dia 13 de setembro nos Estados Unidos, Ladytron lançou seu novo álbum: Gravity The Seducer. Realmente mais uma prova de que a banda é foda mesmo. Normalmente eu comento as faixas dos álbuns que eu gosto, mas como a banda disponibilizou as músicas no SoundCloud para serem ouvidas e compradas, segue o player abaixo. E mais abaixo, dois clips do novo álbum.

[soundcloud url=”http://soundcloud.com/nettwerkmusicgroup/sets/ladytron-gravity-the-seducer-selections”]

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=7cKEy0BFfQw&ob=av2e&w=570]

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=84_3CCqvljA&ob=av2e&w=570]