Breve sessão de tortura (conto)

A sala era quente, mal iluminada e fedia. No momento, além do insalubre ecossistema usual, era frequentada por mais quatro indivíduos, sendo todos eles homens de índole questionável, mas estando apenas um deles em menor número.

Ele estava amarrado, amassado e arrependido. Claro que, como qualquer pilantra, arrependido de ter sido pego e não de ter feito a merda. Era magro, feio, barba falha e cabelo ralo no topo da cabeça. Se vestia pouco melhor que o Wally, mas aparentemente era bem mais fácil de ser encontrado, considerando a situação em que estava.

Os outros três estavam em silêncio já havia algum tempo. Um deles também estava sentado. Desfrutava, sobre o primeiro, da considerável vantagem de não estar amarrado e sangrando. Tinha a cara gorda e brutal, e era dono de todo o dinheiro que o Wally amarrado não tinha como pagar. Em pé, ao lado do gordão, estava uma coleção de músculos provavelmente animada através de algum ritual macabro. Havia sido esse brutamontes que deixara a cara do Wally combinando com a camiseta vermelha. Não dissera uma palavra, simplesmente batera com suas gigantescas e sólidas patas na cara do magrela, sem nem mesmo ameaçá-lo.

Mas, normalmente, quem está apanhando, sabe qual é a razão,  e isso costuma tornar as palavras um tanto dispensáveis.

O terceiro cara era tão adequado ao ambiente quanto o Xicão Tofani em um programa de comentaristas esportivos. Parecia uma enorme criança de três anos, perturbadoramente proporcional. Era cabeça de um bebê em alguém de um metro e setenta e quatro de altura, com os ombros pequenos e a barriga com aquele arredondado infantil. Mas não chorava, ria ou balbuciava sílabas cobertas de baba. Apenas olhava na direção do Wally como se não conseguisse ter certeza se ele estava ali ou não.

O gordo tomou um longo gole de um fedorento suco de goiaba, enquanto o bebezão se aproximava do Wally.

“Como a impossibilidade de que você me pague é uma irrefutável verdade matemática, e como você já se mostrou um completo imprestável, decidi te dar a chance de servir de cobaia pra uma ideia que meu novo colaborador aqui me apresentou na semana passada” – mais um gole. O cabeça de nenê agora estava mais próximo do Wally. Levou a mão esquerda para trás, para pegar algo no bolso da calça. Era algo enrolado em uma toalha de rosto amarela úmida, que escapou da mão dele e se estatelou no chão, fazendo um som metálico de efeito cicatrizante para o entre-nádegas do Wally.

Os músculos se abaixaram, pegaram o alicate do chão e entregaram pro cabeça de nenê, que o pegou, abriu e fechou a ferramenta testando sua resistência. Olhou Wally nos olhos. “Você consegue manter sua boca mole aberta ou precisaremos mantê-la pra você?”

Embora Wally chorasse, gritasse e babasse, sua boca não ficava aberta o suficiente para que o cabeça de nenê conseguisse trabalhar tranquilamente. Foi necessário que músculos o segurasse para que mantivesse a boca bem aberta. Até porque o cabeça de nenê era mirrado e não tinha muita força. O que fez com que levasse alguns minutos para que, apertando o incisivo do Wally com o alicate, fosse capaz de fazer o dente estourar em pedacinhos.

Entre desmaios, vômitos, choros e retomadas de consciência, foram necessários dois dias e sete pizzas para que o serviço estivesse completo. O cabeça de nenê ria de forma condizente à sua aparência cada vez que, depois de muita pressão, o dente finalmente não aguentava e estourava, como um pedaço de gelo, espalhando estilhaços por toda a sala. Gostava não apenas da sensação de apertar o alicate como do som que fazia o dente ao explodir.

Duas semanas depois, o gordo decidiu que seria mais seguro para todos se o cara de bebê fosse arremessado de sua cobertura no centro. Na queda, o corpo estragou irreversivelmente um carrinho de pipocas e um falso cedo vendedor de raspadinha.

Como descobrir o ID de uma página do Facebook

Pelo que pude notar, considerando o gigantesco número de tutoriais sobre este assunto que não funcinam, essa é mais uma daquelas coisas que o Facebook tem o prazer de complicar e mudar o funcionamento de tempos em tempos.

O fato é que nem sempre somos os donos das páginas das quais precisamos do ID (e muitas vezes nossos clientes já criaram as páginas e não saberão exatamente como nos ajudar para nos passar as informações que precisamos). Assim aqui vai a manha:

  1. Acessa a página que tu quer saber o ID;
  2. Corre a página até chegar no último bloco da barra da esquerda;
  3. No último menu, cata o item “Receber atualizações via RSS”;
  4. Coloca o cursos sobre o link, clica com o botão direito (ou ativa o menu contextual da forma que a geringonça que tu estiver usando acessar permitir) e escolhe Copiar Link (ou Copy Link Location, ou o que for equivalente);
  5. Abre outra aba, e cola o link, que vai ser algo tipo: http://www.facebook.com/feeds/page.php?id=40796308305&format=rss20. Os números em vermelho são o ID em questão (o deste exemplo é da página da Coca-cola)

Tem pilhas de outras formas, mas esta me pareceu até agora a mais simples e mais independente do browser que tu tá usando, ou de algum plugin que tenha que instalar. E tem a vantagem de que se tu tá precisando do ID de um cliente que vende apenas vibradores, tu não precise curtir a página para ter acesso ao ID.

Para catar o ID de perfis a coisa é diferente e outra hora, se eu achar uma forma que eu já não tenha visto em outros tutoriais, eu largo aqui.

Gravity The Seducer (Ladytron 2011)

Dia 12 de setembro na Europa e dia 13 de setembro nos Estados Unidos, Ladytron lançou seu novo álbum: Gravity The Seducer. Realmente mais uma prova de que a banda é foda mesmo. Normalmente eu comento as faixas dos álbuns que eu gosto, mas como a banda disponibilizou as músicas no SoundCloud para serem ouvidas e compradas, segue o player abaixo. E mais abaixo, dois clips do novo álbum.

foguinho.com.br – não foi dessa vez

Acabei não conseguindo postar sobre isso antes, mas no dia 2 de agosto de 2011, o pessoal do jurídico do registro.br me mandou um e-mail dizendo que meu pedido de registro do domínio foguinho.com.br foi indeferido. Pelo que pude constatar, nem eu nem qualquer outra pessoa que estivesse brigando por ele também ganhou o direito de registrá-lo. Embora eu entenda e respeite a posição do registro.br, na minha opinião a lei vigente é antiquada e pouco adequada à realidade da internet. Atrelar o direito de registro de domínio a um nome de empresa registrada é plausível, mas certamente está longe de cobrir todas as situações em que mais de uma pessoa pode querer registrar um domínio.

De qualquer forma, já tenho a data do próximo processo de liberação e tentarei novamente. Valeu a todos que mandaram e-mail pros caras. Na próxima eu peço ajuda de novo!

Together – The New Pornographers (2010)

Lançado em maio do ano passado, esse álbum é o quinto álbum da banda. Confesso que embora eu realmente lembre de ouvir falar bastante deles já há muito tempo (afinal o primeiro álbum é de 2000) eu sinceramente não consigo, de cabeça, associar nenhuma música a eles.

Segundo a Wikipedia, que raramente costuma mentir, Together conta com a participação de um monte de gente, entre eles Zach Condon, do Beirut, banda de quem a Globo chupou descaradamente o conceito estético dos videoclips para fazer umas 3 ou 4 mini-séries.

Uma vez que não lembro dos outros álbuns dos caras, não tenho como comparar esse com os anteriores (pelo menos por enquanto), mas dá pra dizer alguma coisa sobre cada uma das músicas:

1 – Moves: Começa com o que parece um violino com overdrive. Como acho que tudo, inclusive a voz de um bom número de pessoas, ficaria melhor com distorção, já comecei curtindo. O pianinho é do caralho. Dá pra notar a influência (declarada) de Brian Wilson nos backings.

2 – Crash Years: Essa foi a música que me fez ir atrás desse álbum (obrigado SoundHound). Existem músicas que a combinação do timbre da voz do vocalista com o timbre dos instrumentos e com a melodia é tão harmônica e faz tanto sentido que é capaz de carregar quem está ouvindo por um turbilhão de emoções/imagens/lembranças/idéias/vontades que dá vontade de pagar um churrasco pra banda inteira.

3 – Your Hands (Together): meio sessão da tarde pro meu gosto. E eu só vi o clip depois de escrever a frase anterior.

4 – Silver Jenny Dollar: power pop… faz sentido. Lembra 2002 mesmo.

5 – Sweet Talk, Sweet Talk: sempre fui um entusiasta das palmas bem empregadas.

6 – My Shepard: começa com um pianinho que promete. Uma análise rápida aqui, quando começou a voz dessa aqui, feminina, eu concluí que até o momento estou preferindo as músicas com vocal feminino. Ontem mesmo comentei que estamos há algum tempo com muito mais vocalistas mulheres fodonas do que vocalistas masculinos fodões. Interessante isso.

7 – If You Can’t See My Mirrors: essa seria uma música que eu certamente colocaria em um setlist pra uma festa. Provavelmente no início da festa.

8 – Up In The Dark: violão do início chega chegando, mas promete mais do que cumpre.

9 – Valkyrie In The Roller Disco: bonitinha, mas nada de muito impressionante.

10 – A Bite Out Of My Bed: seguindo a tendência básica da “teoria do gráfico” o pique sobre novamente nessa aqui, beeeem mais interessante que a anterior. Riffs interessantes, panderetinha bem utilizada também.

11 – Daughter Of Sorrow: até aqui se confirma a aplicação da “teoria do gráfico”, mostrando que assim como começaram com as mais fodonas, deixaram as outras mais fodas pro final! Tem uns backings gritados aqui que são uma cavalisse de afudê!

12 – We End Up Together: É fundamental que um album, para que seja bom, que ele termine bem. E é esse o caso aqui. Muito boa a escolha de música final do álbum.

Bem, pelo jeito vale a pena eu ouvir os outros quatro álbuns dos caras. Vou ouvir e depois talvez eu comente aqui. Talvez não.

 

Mais considerações sobre por que eu mereço o foguinho.com.br

Pois bem, estava eu tendo algumas idéias subversivas quando resolvi fazer uma consulta ao registro.br em relação a um domínio. Vejam que resultado mais interessante:

Pois então, se o PSDB pode ser oposição.org.br eu tenho mais do que direito de ser foguinho.com.br, concordam?

Então voltem ao post anterior e sigam na minha campanha!

Vote em mim para Foguinho!

Daí então: no início deste mês entrou em processo de liberação o domínio foguinho.com.br que, obviamente, se estivesse disponível quando eu registrei este aqui (foguinho.net) eu já teria registrado.

Na época, o domínio era utilizado por uma distribuidora de gás, mas no final do ano passado eles não renovaram o registro e o domínio entrou em processo de liberação agora em junho.

Além de mim, mais alguém entrou na disputa. Considerando que eu não perdi automaticamente a chance do registro, acredito que quem esteja disputando seja apenas alguém que gostaria de ter o domínio por ser chamado assim por um número de pessoas muito menor, muito menos legal e muito menos relevante do que aquelas que me chamam de Foguinho.

Assim, peço a ajuda de vocês para que eu seja escolhido pelo registro.br e possa ter o registro do foguinho.com.br, que certamente todos vocês concordam que deveria ser meu. Para isso, peço que enviem e-mails para juridico@registro.br, dizendo o seguinte:

“Marcus Vinícius Souza de Azevedo é o Foguinho e vice-versa. Ele merece o registro do foguinho.com.br!”

Como não existe previsão de termos de disputa de pessoas sem registro de marca em relação a domínio, conto com o apoio e o endosso de vocês para que eles possam julgar com embasamento.

Valeu!

Infográfico Fundamental #1

Download: Keynote | PPT

Showroom of Compassion – Cake

Lançado dia 11 de janeiro deste ano, este é o primeiro album lançado pela banda desde 2004. Showroom of Compassion também é o primeiro álbum deles a ser lançado de forma independente. Produzido pelo próprio Cake, o álbum me soou um tanto diferente dos anteriores. Embora os metais, o moog e os demais barulhinhos sigam o velho estilo do Cake, o vocal está bastante diferente, além de estar com o volume mais próximo do resto do instrumental, dando uma cara menos pop para as músicas.

Abaixo, comentários música por música (que escrevi antes de escrever o início deste post, o que pode fazer soar um pouco esquizofrênico):

Federal Funding – Faz tempo que eu não ouço Cake, mas “à primeira vista” parece outro vocalista. A melodia e a letra soam Cake, mas o vocal tá bem diferente.

Long Time – Já começa afudê e agora o vocal, embora siga com o timbre um pouco diferente, está com a mesma intenção do Cake que eu estava acostumado (relembrando que eu não ouço Cake há horas). Como sempre, o baixo é muito foda e a música tem “reviravoltas” sensacionais. Barulhinhos legais com bom trabalho de pan, que o Pedro deve ter adorado. (linkar).

Got to Move – babadinha que seria muito bem vinda em uma reunião dançante, se essa pirralhada sem graça soubesse o que é isso. Levadinha tranquila com backing vocals bem aproveitados.

What’s Now is Now – aqui ou eu já me acostumei com as mudanças ou já está soando “muito mais Cake” pra mim. Interessante a mixagem do vocal próxima aos instrumentos. Bem pouco pop. Se mescla bem com o teclado e a guitarra.

Mustache Man (Wasted) – baixo fogão, chocalho de cascavel clássico, timbre de voz meio diferente. Acho que começo a compreender a proposta do negócio.

Teenage Pregnancy – Cornetinhas me lembrando Los Hermanos, melodia me lembrando Beiruth, mas com o baixo e os barulhentos do Cake. Além disso, a melodia tem tudo a ver com o nome da música. A saber: é instrumental.

Sick of You – Acho muito bom quando uma banda acha uma fórmula que funciona, a usa de forma sempre interessante de modo que cria uma identidade. A voz de radinho que volta e meia aparece nas músicas do Cake funciona. E funciona como um recurso e não como uma artimanha, e isso é muito afudê.

Easy to Crash – Até agora a musiquinha mais fraca do álbum, na minha opinião. O tecladinho é legal, mas a gritaria meio que cansa.

Bound Away – Countryzinho com direito a slide e tudo. Como diria o Fabian, “recuperando o gráfico do setlist”. De se sentir bebum no México, tendo fugido após roubar um banco.

The Winter – Embora o refrão seja bem legal, o resto da música não me pareceu muito interessante.

Italian Guy – Qualquer pessoa que goste de música e que tenha nascido antes do mundo não passar de uma playlist interminável é obrigado a entender a importância da escolha da música que irá finalizar um álbum. Aqui não temos um fim apoteótico, mas a escolha foi muito boa. A música se destaca bastante do resto. O violino foi bem utilizado, os barulhinhos estão incríveis e a melodia é realmente boa.

Impressões finais: o álbum é bem bom, e acho que vou gostar mais dele depois que ouvir mais. Fico feliz que o Cake tenha lançado algo novo.