Segundo o Terra, atriz Global comete incesto

Segundo o Terra, atriz Global comete incesto

Para a posteridade 2 – A vez da Ana Maria Braga

Receitinha de salada de sopa. Como devem tirar do ar, cabe guardar para registro:

Ana Maria Braga e a Salada de Sopa

G1 hackeado – resolvi guardar para a posteridade

Não sei qual o motivo de quem fez isso, mas acredito que pelo resultado, ele merece a posteridade.

Entrando no G1, hoje pela manhã, tu te deparava com o seguinte banner:

Banner do ministério da saúde no G1.

Clicando nele, tu em vez de ser encaminhado para o site da campanha do Ministério da Saúde, tu ía parar aqui (clique na imagem para ambliar):

Protesto contra a equipe do G1.

Coisas como esta me fazem ter certeza que a campanha política na internet vai ser furiosamente divertida.

Caminho das Índias

Primeiro vamos organizar as idéias de modo gráfico:

caminho_das_indias

Não preciso explicar meu ponto, não é? Pois bem: sugiro que façamos um brain coletivo para ajudar a Globo a salvar esta nova porcaria da Gloria Peres. Eu tenho já algumas idéias que poderiam ajudar a emissora a deixar mais claro que os personagens são indianos:

  • Crachá: um crachá simples e barato, apenas com a palavra INDIANO. Fácil de produzir e bastante explicativo;
  • Balão de gás: um balão branco amarrado nos personagens, com a palavra INDIANO escrita nele;
  • Anão com um cartaz em formato de seta escrito “INDIANO”.

Essas são apenas algumas idéias pra começar o brain. Agora aguardo sugestões de todos pra que possamos ajudar a Gloria Peres a não fracassar e perder a audiência pra Record.

O Futuro da Cultura Brasileira ou A Caminho do Fim da Ereção

Desde o dia em que, depois de me desenozarem do cordão umbilical, eu vim ao nosso complexo mundinho, a cultura brasileira ruma em toda velocidade lomba a baixo. Não que a noção algum dia tenha imperado inabalável sobre nossa culura, mas creio que estejamos finalmente cavocando no fundo do poço.

Creio que o início do fim talvez tenha sido com a criação do Aqui e Agora no SBT, quando pela primeira vez a Rede Globo resolveu nivelar por baixo. Daí foi uma queda vertiginal.

Em meio à caralhada de coisas que me preocupam em relação à nossa cultura, creio que a mais crítica ainda não foi notada por ninguém. O Brasil ruma ao fim da ereção nesta nação!

Quando eu era um piá de merda, era uma trabalheira ver uma mulher sem roupa. Tu tinha que roubar revistas do pai escondido, tentar ver as colegas trocando de roupa pelo buraco da fechadura e tudo o mais. Mesmo com o advento da internet, ainda tinha que ser esperto o suficiente pra pesquisar nos lugares certos.

Atualmente basta ligar a TV, a qualquer horário, em qualquer canal. Sempre tem uma bunda quicando. Barbada!

OK, isso facilita a vida dos adolescentes. O problema é que metade da nossa fissura e diversão em ver as minas peladas vinha da dificuldade. O estímulo vem do que tu não está acostumado a ver/usar/sentir o tempo todo. Ninguém jamais adoraria uma comida “x” se o cheiro dela estivesse o tempo inteiro no ar do ambiente. Do mesmo modo, se uma criança vê uma mulher pelada se mexendo como uma serpente desde os três anos, nunca ficará de pau duro por causa disso.

Isso claramente é um problema para as gerações futuras.

De qualquer modo, se eu nascer de novo, certamente não será no Brasil, portanto creio que não devo me preocupar muito. Mas fica o conselho pros pais: não banalise a mulher pelada na vida do seu filho! Ele pode sofrer terríveis consequências com isso.

Seguindo aos tropicões (ou seja, mais coisas aleatórias)

– Descobri que familiares mais velhos não reagem bem à frase “estou com meu braço esquero dormente”;

– Passei uma longa sexta-feira curtindo um Prontopuc, uma vez que na sexta acordei com mais um pedaço da mão dormente. Descobri que não tenho tendinite mesmo e que tudo é culpa das minhas costas. “Arranhões podem resolver, doutor?” “Não”…

-… então sigo tomando remédios que não têm efeito nenhum além de me deixar caindo de sono;

– Tais remédios não me deixam beber. Isso deixa meu humor um lixo, mas faz bem pro meu fígado e pra minha conta bancária;

– Concluí que desde que parei de fumar meu organismo tá todo fudido;

– Li um conto do Bukowski que fala de um casamento budista e lembrei de mim no futuro;

– Fiquei tentando encontrar algum ritmo inteligível dentro da máquina de ressonância magnética;

– Tive a oportunidade de assistir alguns episódios de uma série da Globo sobre um grupo de filhos da puta que não valem nada e que passam o tempo todo traindo uns aos outros e se sacaneando, e que por algum motivo que me escava se chama Queridos Amigos

– Fui a um quiropraxista pra arrumar as costas e descobri que sou um amador: achava que só rolava estalar os dedos, mas existe todo um esqueleto de possibilidades.