Beber pra esquecer a crise!

Embora a histeria enlouquecida causada pela crise já comece a perder credibilidade, ainda existem aqueles setores que insistem em manter o desespero, simplesmente pelo prazer de causar terror e demitir funcionários. Porém, no país que roubou o direito divindo sobre a cerveja, é mais do que compreesível que esse setor não apenas cague e ande para a crise como seja uma fonte de novos lançamentos.

Além da chegada muito bem vinda da Quilmes aos supermercados gaúchos e do lançamento da Stella Artois em uma belíssima versão em lata, me deparei neste final de semana com algumas coisas novas nas geladeiras (que andam muito mal administradas e com temperaturas positivas, o que é inadmissível!).

Sol, Kaiser e Bavaria. Todas com 500mL.
Sol, Kaiser e Bavaria. Todas com 500mL.

A primeira delas, a qual bebo enquanto escrevo o post, é a versão de 500mL da Sol. Além dela, a Kaiser e a Bavária também tem novas latas de meio litro. A Nova Schin também tem, mas não vejo nenhuma vantagem em oferecer ainda mais mL daquela porcaria.

Porém, o lançamento mais interessante e potencialmente vendedor (na minha opinião) foi:

Skol Redondinha (269mL)
Skol Redondinha (269mL)

Skol Redondinha. 269mL que serão usados com toda a cara-de-pau que a Skol costuma ter em suas campanhas. Além disso, está po 99 centavos nos supermercados, o que torna o pack com 15 latas bastante competitivo. Pra mim, que costumo deixar a cerveja esquentar porque demoro pra beber, o tamanho é mais do que perfeito!

Obrigado, cervejarias, por deixar a crise menos dolorida para seus consumidores.

Super Sequência

Observem mais um print screen das estatísticas deste blog:

supersequencia

Peço que concentrem-se para ignorar o bando de tarados que acaba caindo aqui com suas criativas buscas e foquem-se apenas no que está photoshopicamente circulado: “C Am F G” e “G Em C D”. Para aqueles que tem o desprazer de não saber tocar um instrumento e não tem a mínima idéia do que significa esta sucessão de letras, cabe explicar que se tratam de representações das notas músicas, sendo a primeira seqüência dó, lá menor, fá e sol, e a segunda sol, mi menor, dó e ré.

Sei que ainda assim não é clara a importância de tal seqüência. Explico: essas duas seqüência de notas produziram praticamente 67,8% das baladas (não vou explicar de novo o que é uma balada, quem quiser continuar sendo analfabeto e chamando festa assim, que chame) de sucesso dos anos 60. Donna, Earth Angel, We belong together, Daiana e por aí vai. Todas essas músicas existem por causa dessas duas seqüências. Não fossem elas, o filme La Bamba jamais teria sido feito, embora a música La Bamba propriamente dita não seja fruto desta seqüência.

E é por isso que o bando de amigos meus que tocam violão e guitarra chamam, desde que a gente era um bando de pirralhos de 13 anos, essas seqüências de Super seqüência. Tu pode ficar tocando horas de música sem mudar essas notas. Ou pelo menos até alguém dar em ti.